28 de mar de 2011

Memórias

A história verdadeira dos meus pais,eu não sei. Juntei minhas lembranças a fotos, relatos de família e amigos, cartas, diários, documentos,pimenta, salsa e cebolinha e sigo reproduzindo pela vida a fora. Não sei se conheceram mesmo numa festa em Santa Tereza, meu pai com 17 anos cabelos compridos, rosto de anjo que tocava flauta transversa. Minha mãe, mulherão 27 anos trabalhava na Globo já naquela época- 1969. Se eles se amaram verdadeiramente ou se foi apenas uma carência de um dos lados. Se minha mãe foi abandonada antes dele pelo grande amor da sua a vida e por descrença e desistência acabou ficando com meu pai. Ou se para o meu pai minha mãe serviu como uma mãe que ele não tinha e cada um se encaixou nas suas ausências e necessidades de preenchimento. Criei uma história romântica a la "Eduardo e Monica" ,do Renato Russo, onde Monica era mais velha e Eduardo bem mais novo, ela no mestrado e ele ainda prestando vestibular. A parte da história que a minha mãe passou para o mestrado em Paris e minha vó não queria autorizar a ida do meu pai , também não sei se é verdade ou lenda. Se procede que minha mãe já formada e trabalhando como jornalista carregou o jovem rapaz ainda sem profissão para França e Londres, onde ele então fazendo cursos livres descobriu o dom da fotografia que seguiu até o fim da vida. Tio se puder me ajudar a reeditar minha história, agradeço. beijos Sobrinha, Quanto ao seu pai e sua mãe o que sei é que se conheceram através do Bira, o amigo jornalista do Renato que na época trabalhava no mesmo jornal que a sua mãe. E acho que foi uma sorte eles terem ficado juntos e irem para Paris. Isso porque o Renato tinha ido com um amigo gaúcho, o Pingo, irmão do Pereio, de São Paulo para o Rio. E ai acabou tendo contato com um pessoal da luta armada que o convidaram para montar uma rádio clandestina, já que ele fazia caixas acústicas e conhecia eletrônica. A sua avó queria que o Renato fosse para Nova York. O amigo dela, o Júlio, que era relações públicas da Klabin conseguiu um convite para que ele fosse para lá estudar. Seus pais acabaram namorando na Maison de France, onde ele estudava flauta e sua mãe francês. É... acho que foi ótimo terem ido mesmo para Paris. Lá ele foi assistente de um fotográfo e aprendeu tudo sobre fotografia. Acho que foram felizes. É só ver as fotos da época. Mas também é claro que, com um diferença de 10 anos, sua mãe foi tudo para ele em Paris:mulher, amiga, amante e até mãe. Pelo menos até ele aprender a falar francês. Quem sabe bem sobre este período, 2 anos na França e seis meses em Londres, é o casal amigo deles que na época moravam na Alemanha, o Roberto que hoje é psicanalista e a mulher, que trabalhava na Globo . Eles se visitavam e chegaram juntos no Rio, em 1973 indo morar em Santa Tereza. beijos seu tio Memórias, o passado para reconstruir o presente. Um pouco nostálgico, mas gostoso de ouvir,criar, recriar. Me lembrou as sopas, receitas antigas, históricas e gostosas de recriar. Bem tradicional, bem fámilia. Sopa de Cenoura e Gengibre 3 cenouras grandes, raspadas e cortadas em cubos grandes 1 cebola branca grande cortada em quatro 1 pedaço de gengibre fresco Cozinhar em 1 litro de água as cenouras, a cebola e o gengibre. Após cozido, retirar o gengibre e bater tudo (água inclusive) no processador até formar um creme.Voltar ao fogo em panela e acertar o tempero com sal a gosto. Servir em prato fundo. * pode espremer por cima um pouco do caldo da laranja lima para dar um perfume. As memórias!

Nenhum comentário:

Postar um comentário